Desastre do datacenter da OVH mostra porque os planos de recuperação e backups são vitais

O gigante europeu da computação em nuvem OVH anunciou nesta quarta, 12/03/21 que um grande incêndio destruiu um de seus datacenters de Estrasburgo e danificou outro, enquanto a empresa também fechou dois outros datacenters localizados no local como medida de precaução. Desastre do datacenter da OVH mostra porque os planos de recuperação e backups são vitais.

Enquanto AWS, Azure e Google Cloud geralmente obtêm a maior parte dos holofotes no domínio da computação em nuvem, OVH é um dos maiores fora dos “três Big Clouds” com 27 datacenters globalmente, 15 dos quais estão no continente europeu.

O desastre de quarta, que supostamente deixou mais de 3,5 milhões de sites fora do ar, ocorreu durante um grande período de atividade da OVH, com sede na França, após ter anunciado recentemente uma parceria com a Atos  para oferecer serviços em nuvem totalmente fabricados na Europa onde o setor  é dominado pela Amazon, Microsoft e Google. Esta semana, a OVH revelou que estava nos primeiros estágios de planejamento de abertura de capital.

Desastre do datacenter da OVH mostra porque os planos de recuperação e backups são vitais

Na sequência do incêndio que eclodiu por volta da meia-noite, hora local, de quarta, o fundador e presidente da OVH, Oktave Klaba, recorreu ao Twitter para recomendar aos seus clientes que ativassem o seu plano de recuperação de desastres.

No entanto, logo ficou claro que nem todas as empresas tinham um plano de recuperação de desastre suficiente em vigor, com órgãos do governo francês e alguns bancos ainda fora do ar no momento da redação desta notícia.

Acima: O Trust Bank da Argélia ainda estava offline mais de 15 horas após o início do incêndio.

Além disso, o Facepunch Studios, empresa por trás de jogos como Rust, confirmou que, mesmo depois de estar online novamente, não seria capaz de restaurar nenhum dado.

E essa, talvez, seja uma das maiores lições que as empresas podem tirar dos eventos que aconteceram em Estrasburgo.

Apesar de todos os benefícios que a computação em nuvem traz, as empresas ainda estão colocando toda a sua confiança na infraestrutura de terceiros, e é por isso que ter um plano de recuperação de desastres robusto – incluindo backups de dados – é tão importante.